Home Budismo Lama Padma Samten A História de Buda
A História de Buda PDF Imprimir E-mail
Capa DVD A história de Buda
DVD - 1h 06min.
R$ 35,00

Neste DVD, com 1h 06min., o Lama Santem conta a História da vida do Buda Shakyamuni e das origens do budismo.

São várias as fontes que tratam desse tema. Vou começar lembrando as "Histórias de Jataka" que tratam das vidas do Buda em épocas anteriores àquela onde ele nasce como o príncipe Sidharta. É sempre interessante observar este ambiente mais amplo. O buda viveu três eons como um praticante, um bodhisatva.

 

Fez o voto de bodhisatva e praticou durante este tempo tão longo até que veio ao nosso mundo na forma do príncipe Sidharta, quando enfim começa a história do Buda.

A história na verdade começa antes. Então essa é a coletânea das histórias das vidas anteriores do Buda. Resumindo de forma drástica, se conta que esse percurso anterior à iluminação começa com um praticante chamado Sumedha, que viveu em um tempo onde o Buda vivo chamava-se Dipankara. Então o Buda Dipankara, da mesma forma que aconteceu posteriormente com o Buda Shakyamuni, caminhava entre as aldeias, dando ensinamentos sobre a natureza búdica, como ultrapassar a ilusão (maya), como ultrapassar o samsara, e havia um jovem chamado Sumedha, que ficou sabendo que o Buda passaria pela aldeia e, juntamente com outras pessoas da aldeia, começaram a arrumar a estrada por onde o Buda passaria. Antes que eles concluíssem o trabalho o Buda se aproximou e o Sumedha viu que havia um local enlameado no caminho do Buda, e ele tirou então seu manto e o colocou para que o Buda passasse por cima. Então o Buda Dipankara passou, parou diante de Sumedha e olhou para ele. Vocês podem imaginar o impacto. Ele se deu conta então do tamanho do Buda, se sua capacidade de trazer benefícios, de sua realização. Ele formulou então um voto interno, silencioso, de vida após vida se dedicar a trazer benefícos aos seres, da forma como fosse possível, aspirando que no futuro ele pudesse chegar à condição de dar benefícios verdadeiros como o próprio Buda Dipankhara. O Buda leu este voto silencioso de Sumedha e disse: "Numa vida futura, você vai atingir a realização desse voto, e será conhecido como o Buda Shakyamuni".

veja um trecho do vídeo

Sumedha, como vocês podem imaginar, ficou feliz, formulou seu voto diante do próprio Buda, que o aceitou e confirmou. Isso causou tal impressão que durante as vidas subsequentes ele sempre retomou esse voto de um modo intuitivo, seguiu se manifestando assim. Mas, devido a circunstância kármica, decorrente de sua própria condição ele nasceu nos vários reinos, teve vidas nos seis reinos. Nasceu no reino dos infernos, nasceu no reino dos seres famintos, nasceu no reino dos animais, nasceu como ser humano, como semideus e como deus. Passou pelos vários reinos.

São muitas as histórias dele em corpo de animal, também como humano, como filho de rei, como príncipe, em várias circunstâncias, como sábios com capacidades e poderes especiais, como ser dos infernos, sofrendo e ultrapassando as dificuldades, em suma, vivendo como era possível e trazendo benefício aos seres, mesmo como ser dos infernos. Estas histórias são histórias maravilhosas.

Eu queria lembrar pelo menos duas dessas histórias antes da gente passar adiante, porque essas histórias têm reflexos sobre a própria condição dos ensinamentos. Vou contar isso rapidamente.

Uma das histórias é assim: o Buda chega a uma aldeia, caminhando, e encontra uma senhora chorando porque seu filho seria morto,  executado, por ter roubado. A mãe chorava e o rei estava na dúvida, se daria ou não o indulto. O Buda foi então consultado e, em resposta, contou uma história:

Numa vida anterior, haviam um rei e uma rainha que tinham três filhos. Um dia, enquanto a mãe dormia, saíram as três crianças para passear pela natureza. A certa altura entram em uma caverna, e naquela caverna havia uma tigresa com seus filhotes. Ela estava muito débil, e seus filhos também. Os meninos se compadeceram da sorte dessa tigresa, mas como não havia o que fazer, foram embora. Quando já estavam a uma certa distância o mais novo deles falou: "Você continuem caminhando que eu já volto". O menino voltou para a caverna, ele estava muito comovido pela situação da tigresa e queria oferecer o próprio corpo para ela. A tigresa estava tão fraca que nem conseguia pegar o menino, ele então furou uma veia e deu o sangue para que ela lambesse. Esse sangue reanimou a tigresa e ela foi então capaz de devorar o menino.

A mãe havia sonhado que via três pássaros voando no céu e o menor deles foi apanhado por um falcão. Ela acordou sobressaltada e pensou em seu filho pequeno. Saiu à procura deles e encontrou os dois maiores. Quando entraram na caverna viram os ossos do irmão menor.

O Buda contou, então: "O menino era eu, a tigresa hoje é essa senhora e esse que está para ser morto é um dos filhos". O gesto do Buda permitiu que ela tivesse um renascimento humano. Houve uma transmissão de compaixão que permitiu que eles tivessem renascimento humano, mas haviam ainda algumas conexões cármicas com ações de tempos anteriores. O rei resolveu então perdoar o rapaz. Este é um tipo de ação que aconteceu muitas vezes nas vidas do Buda, ele deu a sua vida.

Conta-se que uma outra vez ele era um elefante, em uma época de grande fome, e encontrou um grupo de viajantes famintos e disse para eles: "Há um grande elefante que caiu do outro lado da montanha e morreu e vocês podem comer o corpo dele". As pessoas agradeceram e  foram naquela direção. Enquanto isso ele correu pela montanha e se jogou, para oferecer o corpo dele. Isso aconteceu muitas vezes, são muitas as histórias desse tipo.

Uma das histórias que eu queria contar para vocês é uma história que se conecta diretamente com esta vida do príncipe Sidharta. Conta-se que havia um rei muito sábio que tinha poderes extraordinários, mas além desses poderes extraordinários ele tinha ainda uma pitada de orgulho. Esse orgulho fazia com que ele, mesmo sendo sábio e tendo poderes (siddhis), se orgulhasse de ser capaz de sempre conceder o que as pessoas precisavam. Sabendo disso, cinco demônios transmutaram sua aparência para assumir a aparência de sábios, de rishis da floresta, e caminharam em direção ao palácio, onde deixaram que eles entrassem. Eles foram até o rei, que não percebeu as circunstâncias do que estava acontecendo. Ao chegarem, disseram: "Nós temos pedidos para lhe fazer", e o rei disse: "O que vocês pedirem eu vou conceder". Eles disseram então: "Nós queremos a sua carne e o seu sangue". O rei então concordou, ele já tinha esse destemor, a compreensão da natureza além de vida e morte. Ele ofereceu então seu corpo e seu sangue, e os demônios se serviram do corpo e do sangue do futuro Buda. Eram cinco os demônios, e eles receberam essa bênção unilateral, o futuro Buda por destemor e compaixão lhes ofereceu essa bênção. Vocês guardem isso na memória, depois vou retomar esse ponto.

Na história imediatamente anterior ao nascimento com príncipe Sidharta, ele estava no reino de Tushita, no reino dos deuses, rodeado pelos deuses, e os deuses olharam o reino humano, e viram o sofrimento dos seres, que nascem, crescem, vivem, entram em decrepitude e morrem. Os seres humanos passam por isso e não chegam a entender a sua origem, o seu destino, e a sua morte. Eles não entendem porque têm que trabalhar o tempo todo, não entendem de onde vem o sofrimento; buscam a felicidade e encontram o sofrimento de modo cíclico. Os deuses olharam o reino humano e viram isso acontecendo, e cantaram uma canção que narrava o sofrimento dos seres humanos. Ao final pediram ao bodhisatva que seria o Buda para que viesse ao mundo para trazer benefício a esses seres humanos. O Buda também respondeu em forma de versos dizendo que realmente isso aconteceria. Aceitando esse pedido dos deuses ele decidiu ter um renascimento humano para benefício dos seres humanos. Ao se decidir por este renascimento humano ele se deu conta de que essa seria sua última passagem por um corpo físico. Depois disso ele atingiria a iluminação e atingiria a condição de dharma mega e se manifestaria então como um tatagatha, que é o nono estágio dos bodhisatvas e posteriormente iria para o décimo bhumi, como se chama o décimo estágio dos bodhisatvas e se manifestaria como dharma mega, não mais se manifestaria como uma individualidade.

E assim ele se dirige a Maitréa e diz: "No próximo ciclo dos budas, você irá cumprir a função de Buda". Após o tempo do Buda Shakyamuni, quando os ensinamentos do Buda Shakyamuni entrarem em colapso e desaparecerem, virá o tempo do Buda Maitréa.